quarta-feira, 20 de maio de 2015

Empoderamento

No Camila’s (*), após longo debate na reunião geral, que atravessou em muito o horário do almoço. Tema do dia: empowerment. Apesar de não gostar do conceito, mesmo porque ele me parece desgastado, parece provável que um dos aspectos que mais atrapalha o fluxo de trabalho por aqui seja, de fato, a lentidão dos processos decisórios. Tudo acaba dependendo do aval dos diretores de área e do “bater o martelo” da presidência. Mesmo o controller (que, ou estou enganado, ou não “vai muito com a minha cara”), parece não se sentir tão empoderado (neologismo arrastado!) como deveria. Sigo flanando (rs), mas com a nítida sensação de que, brevemente, serei solicitado a dar palpites mais contundentes. In God we trust!

Meu prato, no melhor estilo “bricklayer” (era o clima, tinha que aproveitar), uma Budweiser (foram duas, na verdade) “estupidamente”, completando com um Romeu e Julieta, imprescindível... se não fosse por meus trajes, meu jeitão, e dado que fiquei no meu canto, apenas observando, fui confundido com um nativo (rs). O garçom conversando comigo em inglês, eu respondendo... interessante o rapaz! Pelo sotaque, pensei, deve ser mineiro. Muito educado, atencioso, me olha como quem se interessou um pouco além do usual. Deve ter uns vinte e poucos anos; será que “tá valendo”? (rs)

Peço pra fechar a conta. Em português. Alguns segundos sem entender bem o que ocorria e... acho que ele se sentiu um pouco mais empoderado (rs) na situação. Bingo! É de Juiz de Fora. Entre pagar a conta, me dirigir para a saída e esperar pelo meu carro (ele teve a deferência de me acompanhar), conseguimos conversar sobre o básico do que estamos, os dois, fazendo por essas bandas. Deu tempo até de ele me explicar (pareceu mais um convite) que, mês que vem, não lembro que dia (só falta ser no dia de Santo Antonio...) eles farão um evento “junino”. Não me senti muito tentado. Ou será que devo conceder mais algum empoderamento pro moço? 

   

(*) Um dos mais tradicionais restaurantes de comida brasileira por aqui. Minha primeira vez: não gostei muito! Quer dizer, pra matar a saudade de alguns sabores (arroz, feijão, carne seca, rs), até que vai. O que incomoda é a profusão de “brazucas”, que talvez acreditem que, quanto maior a algazarra, mais brasilidade no ambiente.






10 comentários:

  1. Respostas
    1. Obrigado por suas palavras, aqui e na "casa antiga"...

      Excluir
  2. Ah meu querido! o q custa dar um "empoderamento" ao moço! q mal tem isto? gosto muito destes lances e nunca perdi a oportunidade, mesmo q só para ver até onde vai ... rs

    Amei esta mesa farta de quitandas ... adoro ...

    Gostando deste novo estilo do Blog ... uala!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se tiver uma mesa dessas, acho que vou arriscar! rs

      Excluir
  3. Eu acho tão esquisito usar "empoderado", "empoderamento"....
    Bom, de qualquer forma, como você bem disse o difícil (e esquisito) mesmo é conseguir tais coisas atualmente! :P
    E lá vamos nós para Sto Antonio de novo.

    Abração.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não é esquisito... é empolado mesmo! Usei de propósito (rs), pra combinar com a perspectiva da festa de Santo Antonio, esse dia tenebroso!

      Excluir
    2. Em relação ao meu post, olha que (até hoje) tem umas coisas que nem eu acredito que eu fiz viu... Se não fosse eu o "protagonista" eu até duvidava... De qualquer forma, um "Trofeu Titanic" talvez fosse interessante para o meu currículo kkk Formando BV, não tinha pensado nisso, oh inocência...

      Quanto ao terninho, ninguém merece... só vou dizer que ele não era nem preto, nem cinza, nem bege, ou seja, não tem como me defender nessa! Por Deus só tem duas fotos devidamente guardadas, no banco!

      E a voz do cara deu um charme a música sim e não tem como não viajar...

      Abração, se cuida! :)

      Excluir
  4. E ai tio, só curtindo a "gringa"?! Ri muito quando li 'estilo “bricklayer”... ' lembrei dos meus tempos de faculdade. Tempos difíceis onde qualquer oportunidade "gastronômica" era aproveitada literalmente ao máximo hehehe! Parece que apesar da reunião ter sido um pouco chata e o ritmo de trabalho desgastante, você conseguiu aproveitar um pouco; inclusive papeou com o garçom (quem nunca né?) hehhehe! Tenho uma dúvida, você está morando fora do país definitivamente ou só provisoriamente mesmo? No mais, grande abraço pra você e aproveite muito, com juízo e moderação é claro hehe!

    ResponderExcluir
  5. Bem, vc não perde nada em dar uma oportunidade ao acaso, né? ;]

    ResponderExcluir
  6. Estranhos caminhos me trouxeram mar adentro!
    Ví um comentario seu no HHP! Li seu último post no "ilha"! Devorei todo o blog de uma só vez!
    Ler quem acredita no amor, em sua expressão mais real, longe da mediocridade individualista dos dias atuais, merece o meu mais sincero respeito e admiração!
    Abraços

    ResponderExcluir